Infraestrutura

Infraestrutura

Conheça os espaços oferecidos pela FAU - UFRJ: 

1ATELIER UNIVERSITÁRIO
O Atelier Universitário da FAU-UFRJ, constitui um dispositivo de ação, prestação de serviços nas áreas de competência e atribuição profissional do arquiteto e urbanista.

2AUDITÓRIO ARCHIMEDES MEMÓRIA
3AUDITÓRIO PAULO SANTOS
4BIBLIOTECA
Os alunos da FAU tem à sua disposição a Biblioteca Lucio Costa que é integrada ao SIBI-Sistema de Bibliotecas, conveniada às bibliotecas do IPPUR e da Escola de Belas Artes, que funciona no 2º andar do Bloca A, atualmente (2016/2017) desativada em função das obras que estão sendo feitas na laje da cobertura com verba da FINEP.
O acervo da Biblioteca Lúcio Costa faz parte da Base de Dados Minerva da Universidade. É composto aproximadamente de 16.558 volumes, entre monografias, obras raras, teses e dissertações, obras de referência, obras autografadas, coleções especiais (C. Haroldo C. Sousa e C. FAPERJ), obras básicas para o ensino, além de vídeos, slides e CD-Rom. Desde 2005, as teses e dissertações estão disponíveis na Base Minerva com acesso remoto. Também é importante destacar o acesso aos textos completos do Portal de Periódicos da CAPES. Está em fase de projeto a implementação da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações - BDTD, com o IBICT. O acervo inclui:
- 10.410 monografias (livros, obras de referências, folhetos);
- 1.599 títulos de tesesdefendidasna UFRJ, destacadamentenosdoisprogramas de pós-graduação da FAU (PROARQ e PROURB);
- 1.132 títulos de vídeos e slides;
- 1.107 CD-Rom;
- 1.742 títulosbibliográficos;
- 271 títulos de periódicos com 17.188 fascículos;
- Coleção FAPERJ (Edital 19/2009 e 15/2013) .
Além desses acervos, os docentes e discentes utilizam como apoio às suas atividades a biblioteca do IPPUR, que conta com mais de 23 mil títulos dentre livros, folhetos, periódicos, teses e dissertações, vídeos, CD-Roms e séries especiais.

Bibliotecária Responsável: Dilza
5NÚCLEO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO - NPD
Núcleo de Pesquisa e Documentação O NPD - Núcleo de Pesquisa e Documentação da FAU / UFRJ foi criado pelo então diretor e professor Ulisses Burlamaqui em 14 de abril de 1982. Sua criação foi um esforço pioneiro no Brasil no que se refere à coleta, sistematização e análise de documentos da arquitetura, segundo critérios técnicos de tratamento de suas fontes documentais primárias, e da apreciação histórica e teórica de tal arquivo. O NPD é um setor da faculdade destinado ao desenvolvimento acadêmico e de pesquisa, responsável pela preservação de importantes coleções e de fundos arquivísticos da arquitetura brasileira, como, por exemplo, os arquivos dos arquitetos Gastão Bahiana, Sérgio Bernardes, Irmãos Roberto, Jorge Machado Moreira, Severiano Mario Porto, Carlos Leão, Affonso Eduardo Reidy, Luiz Paulo Conde, coleção de desenhos dos alunos da Escola Nacional de Belas Artes, coleção de desenhos dos alunos da Faculdade Nacional de Arquitetura, desenhos dos prédios dos campi da UFRJ, etc.

O NPD desenvolve as seguintes atividades:
• Atendimento a projetistas da UFRJ, pesquisadores, alunos, jornalistas etc.;
• Realização de visitas técnicas;
• Institucionalização de acervos arquivísticos da arquitetura brasileira;
• Preservação de acervos: administração, organização, higienização, conservação, restauração, digitalização, acesso;
• Orientação e capacitação de bolsistas em projetos de pesquisa desenvolvidos no NPD das faculdades integrantes Centro de Letras e Artes.

Equipe
Mauro Luiz Neves Nogueira - coordenação
Cássia Ferreira - apoio administrativo
Claudio Muniz Viana - preservação de acervos
João Claudio P. da Silva - preservação de acervos
Maurício Almeida Mattos - preservação de acervos
Romildo de Sousa Mariano - apoio a atividades de preservação de acervos

Regras para consulta no acervo do Núcleo de Pesquisa e Documentação
• O agendamento de consulta ou visita técnica no acervo do NPD deverá ser feito pelo e-mail npd@fau.ufrj.br;
• A solicitação da pesquisa deverá ser objetiva, detalhando com clareza o tema e o seu respectivo conteúdo de interesse;
• Não é permitida a retirada de documentos para fora das dependências do NPD;
• O pesquisador, quando vier ao NPD realizar a consulta, deverá trazer consigo pen drive, hd externo ou mídia compatível, capaz de armazenar arquivo de imagens, provenientes de sua pesquisa;
• No espaço de consulta do acervo do NPD, não é permitido trazer e manipular comida, bebida, bolsas, mochilas e canetas. É proibido fazer qualquer tipo de anotações nos documentos. As anotações em material próprio do pesquisador deverão ser feitas a lápis;
• Ao manusear os documentos do acervo não é permitido dobrá-los, molhá-los com os dedos ou de qualquer outra forma, utilizar clips, grampos e fazer o documento de apoio com as mãos ou braços;
• A documentação não digitalizada poderá ser fotografada sem o uso de flash;
• No caso de interesse do pesquisador em utilizar as imagens de documentos do NPD, o mesmo será orientado a preencher o termo de responsabilidade pelo uso de imagens;
• O NPD não está obrigado a fornecer luvas, máscaras e jalecos para a pesquisa;
• O horário de funcionamento para consulta no NPD: 9h:30 às 16h:00. Qualquer dúvida entrar em contato pelos nossos telefones.

Av. Pedro Calmon, 550, 2o andar, bloco A, Cidade Universitária, Rio de Janeiro, CEP 21941 – 901 tel: +55 21 3938-9660 / +55 21 3938-1672.
6MIDIATECA
O Portal MIDIATECA DA FAU/UFRJ (http://www.midiateca.fau.ufrj.br) constitui uma importante ferramenta didática para a difusão, análise e reflexão teórica da produção acadêmica da graduação. Congrega, inicialmente, os Trabalhos Finais de Graduação (TFG’s) e, mais adiante, disponibilizará também os projetos realizados nas disciplinas de Atelier Integrado I e II, completando os trabalhos de conclusão dos três ciclos do curso – Fundamentação, Aprofundamento e Síntese.
A necessidade de disponibilização deste importante acervo se fez sentir logo após a implantação do TFG, iniciada em 1998. O grande número de trabalhos esgotou diversas mapotecas e exigiu uma nova plataforma de armazenamento e disponibilização, utilizando novas tecnologias disponíveis naquele momento. Em 2004 foi criada a primeira Mediateca do TFG, plataforma digital que apresentava a listagem completa dos trabalhos e tinha como objetivo facilitar a consulta do conteúdo completo, então armazenado em CD’s e DVD’s. Por dificuldades técnicas, a base de dados não pôde ser expandida, o projeto foi descontinuado e o material digital passou a ser armazenado em condições precárias, dificultando o acesso aos trabalhos. Em 2013, retomamos o projeto, buscando novas soluções e parcerias, de modo a ampliar ainda mais o acesso do sistema anterior.
Os TFG’s são individuais, de tema livre, desenvolvidos ao longo de dois períodos letivos e são submetidos a duas bancas compostas por, no mínimo, 3 arquitetos e urbanistas, dos quais um externo à FAU. Destacam-se diversos trabalhos premiados regional, nacional ou internacionalmente, que atestam o valor do conjunto e a qualidade da formação oferecida na instituição.
Este novo Portal, viabilizado por recursos da FAPERJ, pretende disponibilizar o acervo dos TFG’s produzidos nos últimos anos e manter atualizada a produção em curso. O banco de dados se encontra em fase de atualização e ajustes, e já tem informações sobre trabalhos produzidos desde 2008, com registros mais completos nos anos mais recentes. As consultas podem ser feitas a partir de diversos tópicos – temas, autores, períodos, orientadores, avaliadores, local - enriquecendo e multiplicando as possibilidades de difusão e de aplicação de tão importante produção. Para além da consulta a trabalhos individuais, instrumento de grande valia para os próprios alunos, queremos crer que a plataforma permitirá também uma visão panorâmica importante da produção do curso, ajudando a identificar tendências e questões no ensino e prática do projeto.
Para o seu funcionamento a Midiateca conta com dois computadores, um servidor e uma impressora e alimentação do Banco de Dados é feita por monitores bolsistas com a supervisão do docente coordenador no espaço destinado à Coordenação do Trabalho Final de Graduação, no quinto andar do Bloca A da FAU.
Responsável: Wanda Vilhena Freire
7LABORATÓRIO DE CONFORTO
Na década de 90, o currículo e o Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência Energéticada FAU/UFRJ passaram a atender às Diretrizes Curriculares e Conteúdos Mínimos de 1994, estabelecidos pelo MEC, que tornou Conforto Ambientalmatéria obrigatória profissionalizante, e explicitou o laboratório de conforto ambiental como requisito básico à abertura e funcionamento de curso em arquitetura e urbanismo. Assim, o LCE FAU UFRJ tem mantido como objetivos principais:
- contribuir para o conhecimento da relação entre lugar, clima e arquitetura, com vistas ao projeto arquitetônico e urbanístico, e ênfase na otimização das condições ambientais e redução do consumo energético;
- apoiar atividades de ensino, pesquisa e extensão da FAU UFRJ;
- dar suporte às atividades práticas das disciplinas obrigatórias e complementares relativas à Conforto Ambiental e Eficiência Energética do curso de graduação da FAU UFRJ, na sua fase mais recente;
- apoiar disciplinas de projeto do curso de graduação da FAU UFRJ, com destaque para Atelier Integrado I e II e TFG;
- apoiar atividades de pesquisa dos cursos de graduação e pós-graduação da FAU UFRJ (e, em casos específicos, outros, através de convênios);
- Apoiar atividades de extensão da UFRJ.
Foi criado simultaneamente com o Mestrado em Arquitetura (atual PROARQ), no final da década de 80, e desde 2006 ocupa área no térreo do Bloco D do prédio JMM, como resultado de esforços e cooperação entre a FAU UFRJ, PROCEL EDIFICA e Eletrobrás.
Atualmente, a prioridade de uso tem sido mantida para os alunos da disciplina obrigatória Conforto Ambiental II – FAT 351 (com 5h semanais), os quais somam um total de 120 por semestre (média de 5 turmas por semestre, ou seja, 24 alunos por turma, numa relação inadequada de 3 alunos por computador). Paralelamente à concentração do apoio às aulas práticas da disciplina, seguem as atividades de pesquisa (atendendo aos objetivos expostos anteriormente). A tradição e importância da pesquisa na Área (destaca-se a contribuição do PROARQ e PROURB) permitiriam alcançar excelência com o aprimoramento do LCE, que tem inclusive vocação natural para ser instrumento de integração entre graduação e pós. As atividades de extensão se beneficiariam de recursos humanos e materiais para atendimento e troca de conhecimento com a comunidade externa à UFRJ, em época de esforços para etiquetagem e certificação de edificações, visando a eficiência energética e qualidade ambiental.

Responsável: Claudia Mariz de Lyra Barroso Krause e Maria Maia Porto
8LABORATÓRIO DE MATERIAIS
Responsável: Marcos Martinez Silvoso
9OFICINA DE MAQUETE E LABORATÓRIO DE MODELOS 3D E FABRICAÇÃO DIGITAL (LAMO)
A Oficina de Maquetes e o LAMO buscam a inserção plena das novas tecnologias de fabricação digital dentro dos processos produtivos e de pesquisa da UFRJ. O LAMO começou como um Laboratório que pretendia atender os trabalhos de graduação da FAU/UFRJ, contudo a carência em fabricação digital, e principalmente em equipamentos colocou o Laboratório no centro das expectativas. Neste sentido passamos a atender pesquisas da Pós-Graduação da FAU, e depois pesquisas de diferentes unidades da UFRJ. Assim muitos dos logros em produto e pesquisa que a UFRJ obteve em 2014 e 2015 tem de alguma maneira passado pelo LAMO. Se antes realizávamos modelos para arquitetura, passamos a realizar protótipos de barcos, carros, drones, robós, próteses médicas, capacetes sensitivos, turbinas hidroelétricas e até os botos do campus passaram de alguma maneira pelo LAMO.
A nível de knowhow o Brasil está na retaguarda da fabricação digital e da automação. Em automação de acordo com Gramazio existem no mundo 25 universidades com centros de unidades robóticas, sendo unicamente duas na América Latina (nenhuma delas no Brasil). Neste sentido a procura de ampliação do LAMO permitiria quebrar essa distancia e colocar o Brasil dentro destas discussões de ponta, a ideia é concretizar um FabLAb que seja centro de referencia no Brasil.
Os objetivos gerais do laboratório visam poder dar atendimento a pesquisas essenciais que são da UFRJ e que extrapolam sobremaneira as atividades do nosso Laboratório. Como objetivos específicos apontamos para a divulgação e capacitação de processos de fabricação digital e automação.
A Oficina consta com um total aproximado de 430 m². Não sofreu reformas desde a construção do prédio e é necessário urgentemente atualizar as instalações de agua, esgoto, exaustão, coletores de pó, filtros de ar, ar comprimido e principalmente instalação elétrica. Assim como otimizar algumas divisões de espaço, os quais estão compartimentados de maneira precária.

Responsável: Andrés Martin Passaro
Site:http://www.lamo.fau.ufrj.br/

Galeria de fotos