Tectônica, Linguagem & Cultura

Luiz Felipe da Cunha e Silva

Departamento: DPA
Tipo: Seminário Avançado
Cadastro no SIGA (Código SIGA): SA Tectônica, Linguagem & Cultura/FAH (5071)
Código: FAP502

Dia(s) : Terça-feira
Horário: 8h às 12h
Local: 504
Turmas: 1
Vagas: 20

A partir da formulação do teórico da arquitetura Kenneth Frampton, de que o ato de construir é mais ontológico do que representacional, e de que a forma construída é antes uma presença do que uma representação; e também de sua afirmação de que, na terminologia de Martin Heidegger, um dos expoentes da fenomenologia alemã, poderíamos pensar a forma construída mais como coisa do que como signo, o curso colocará alguns textos da obra destes e de outros autores sob escrutínio, buscando encontrar neles a face tectônica do linguístico e a face linguística do tectônico. Ao fundo destas discussões, se faz presente a tensão entre o poético e o instrumental, nas obras de arquitetura. Para a discussão do conceito de beleza, como forma de manifestação da verdade (aletheia) na obra tectônica serão realizadas visitas ao edifício do Museu de Arte Moderna de Afonso Eduardo Reidy, edifício JMM de Jorge Machado Moreira, além de outros a serem oportunamente definidos, através dos quais se pretende exemplificar o papel do aspecto material da obra na formação de sua identidade cultural.

Este seminário está associado ao projeto de pesquisa Tectônica JMM aprovado pela congregação da FAU em 9 de julho de 2023.

FRAMPTON, K. Rapel à l’ordre: argumentos em favor da tectônica (1990). In: NESBIT, K. Uma nova agenda para a arquitetura. Antologia teórica 1965 – 1995. Org. Kate Nesbit. Trad. Vera Pereira. São Paulo, Cossac Naify, 2006, ps. 556 a 569.
FRASCARI, M. (1884). O detalhe narrativo. In: NESBITT, K. Uma nova agenda para a arquitetura. Antologia teórica 1965 – 1995. Org. Kate Nesbitt. Trad. Vera Pereira. São Paulo, Cossac Naify, 2006, ps. 538 a 555.
HEIDEGGER, M. A questão da técnica (1953). Tradução de Emanuel Carneiro Leão. In: Ensaios e conferências. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 11-38.
HEIDEGGER, M. Construir, Habitar, Pensar (1951). Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. In: Ensaios e conferências. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 11-38.
DA CUNHA E SILVA, L. F. Os signos e as coisas: uma leitura fenomenológica da arquitetura. Oculum Ensaios, Revista de Arquitetura e Urbanismo da PUC-Campinas, V 21 (2024)